terça-feira, 8 de julho de 2008

A intervenção psicológica no hospital

Atualmente a inserção do Psicólogo no contexto hospitalar é necessária e está cada vez mais presente. Na compreensão da saúde e da doença deve ser considerada as influências do estilo de vida, padrões comportamentais, causas ambientais e ecológicas. como exemplo temos as doenças cardiovasculares, diabete, câncer, Aids, entre outras.

Entre muitos aspectos a serem trabalhados quando se fala em saúde e doença têm-se a evidência da educação de práticas saudáveis e políticas de prevenção, assim como nos tratamentos, a importância da adesão e a redução dos impactos da doença sobre a vida do indivíduo.

O atendimento psicológico no contexto hospitalar tem como objetivo a minimização do sofrimento provocado pela hospitalização e pela doença numa ação integrada com os demais membros da equipe de saúde com um trabalho interdisciplinar.

Uma contribuição importante que o Psicólogo pode agregar na compreensão diagnóstica está no âmbito das representações que o indivíduo tem da doença em geral e da sua doença em particular; no qual inclui a simbologia cultural, social e individual ligada à sua doença.

A atuação do psicólogo no contexto hospitalar não está somente limitada à atenção direta ao paciente, devendo ser considerada a tríade paciente-família-equipe de saúde sempre fundamentado numa atuação profissional

No atendimento psicológico indireto realizado por meio da interconsulta identificam-se fatores iatrogênicos no funcionamento dos serviços hospitalares, que influenciam e geram conseqüencias negativa na hospitalização.

Busca-se então, analisar as situações de conflitos não explicitadas que envolve tanto a equipe quanto a instituição. Recolhendo-se informações com os envolvidos: paciente, família e equipe e realizando-se um diagnóstico da situação para aliviar a crise e restabelecer a relação equipe/paciente.

No caso de um atendimento específico a um paciente para diagnóstico e aconselhamento no manejo da conduta, a pedido de um médico, faz-se a mediação para manter a comunicação entre o paciente e os que estão encarregados de assisti-lo, facilitando a compreensão do quadro e evolução clínica, reforçando-se a importância da adesão e a colaboração aos procedimentos, bem como, mobilizando-o para sua participação ativa em sua própria cura.

A intervenção psicológica no hospital está focada na promoção de mudanças, na facilitação das relações, numa atividade curativa e preventiva, trabalhando os conteúdos manifestos e latentes em relação à doença e ao sentido dado pelo indivíduo à hospitalização, tendo como função diagnosticar e compreender o que está envolvido na queixa, no sintoma, na patologia, contribuindo também para a humanização do hospital numa função educativa

2 comentários:

Michelle disse...

Olá Paulo tudo bem ?

Muito jóia seu blog, comecei nesse onda de querer escrever algo no começo deste ano !
Sou estudante de Psicologia, e me apaixonei pela área Hospitalar, em especial pela Psico-Oncologia !

Ainda estou lendo susas postagens mas estou amando !

Um forte abraço !

Jéssica disse...

Oie Paulo!
Parabéns pelo seu Blog, mim ajuda bastante nos meus trabalhos pela clareza de entendimento dos seus textos! Fazendo trabalho sobre essa área linda da psicologia que é a hospitalar, mim encantou e mim conquistou!!

Um grande abraço!!
Jéssica Diniz